segunda-feira, 6 de junho de 2011

GRAÇA, MISERICÓRDIA E PERDÃO


Quantas vezes temos que perdoar o nosso irmão? Sete vezes em um dia? Jesus disse: "Até setenta vezes sete". Parece um absurdo? Para Deus não. Na parábola do credor incompassivo (Mateus 18.21-35), Jesus nos ensina isto.

Jesus por esta parábola faz primeiramente olharmos para nós. Quanto o Deus gracioso nos perdoou? Uma conta impagável: "(Pois a redenção da sua alma é caríssima, de sorte que os seus recursos não dariam)" Salmos 49.8.

Pela parábola, fazendo as contas, teríamos que viver 164.000 anos para pagar a dívida. Nem mesmo vendendo tudo o que tínhamos poderia saldá-la. Não é incoerência que aquele servo tenha pedido no v.26 paciência, para que pudesse pagar a sua dívida? Mas o senhor daquele servo, gracioso e cheio de misericórdia, entendendo que ele jamais poderia pagá-la, perdoou-lhe a dívida.

Não foi assim conosco também? O nosso Senhor, gracioso e cheio de misericórdia não riscou e escrito de dívida que havia contra nós naquela cruz? Sim, totalmente: "Havendo riscado a cédula que era contra nós nas suas ordenanças, a qual de alguma maneira nos era contrária, e a tirou do meio de nós, cravando-a na cruz"Colossenses 2.14.

Jesus continua dizendo que aquele servo, logo encontrou pelo caminho alguém que lhe devia 100 dias de trabalho. Apenas 100 dias. Se ele fosse cobrar antes, porque tinha uma dívida a ser paga, ainda seria aceitável, mas depois que foi imensamente perdoado!

No verso 30 o clamor do seu conservo foi o mesmo que a pouco ele mesmo tinha feito ao seu senhor, mas ele não quis, antes foi encerrá-lo na prisão.

Jesus então ensina que o senhor daquele servo quando soube, indignado, o entregou aos seus algozes até que pagasse tudo o que lhe devia. E nos diz: "Assim vos fará, também, meu Pai celestial, se do coração não perdoardes, cada um a seu irmão, as suas ofensas" (v35).

Fazendo mais alguns cálculos, caso esse servo perdoasse setenta vezes sete a dívida do seu conservo a cada dia, por um período de mais 50 anos, perdoando 490 vezes por dia, ainda assim a dívida do seu conservo seria cerca de 25 vezes menor que a sua.

O mistério da piedade, que nos fala Paulo em I Timóteo 3.16, nos ensina que o Deus gracioso, amoroso, misericordioso e bondoso se manifestou em carne. Jesus é a expressa imagem do seu Ser (Hebreus 1.3)

Em Jesus Cristo vemos toda a benignidade de Deus (Tito 3.4). Nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade (Colossenses 2.9)

Este mistério da piedade continua. O Deus benigno, que se manifestou em carne e que foi justificado no espírito, agora quer manifestar a sua vida piedosa através do seu povo, da Sua Igreja (Efésios 2.10).

Temos que fazer esta conta para que avaliemos o quanto o nosso Deus foi gracioso e misericordioso conosco. E o quanto Ele quer manifestar por Cristo, a sua vida piedosa em nós. Misericórdia quero diz o nosso Senhor, e não sacrifício.

Agora "se alguém... não se conforma com as sãs palavras de nosso Senhor Jesus Cristo, e com a doutrina que é segundo a piedade, é soberbo, e nada sabe..." I Timóteo 6.1-2.