quarta-feira, 15 de junho de 2011

Carta à Bispa Evônia*


por Augustus Nicodemus Lopes


[*Nota – é mais uma carta ficticia, gênero que uso como maneira de tornar as minhas idéias mais interessantes para o leitor. Minha esposa não tem (ainda) nenhuma amiga que virou bispa.]

Minha cara Evônia,Minha esposa me falou do encontro casual que vocês duas tiveram no shopping semana passada. Ela estava muito feliz em rever você e relembrar os tempos do ginásio e da igreja que vocês frequentavam. Aí ela me contou que você foi consagrada pastora e depois bispa desta outra denominação que você tinha começado a frequentar.Ela também me mostrou os e-mails que vocês trocaram sobre este assunto, em que você tenta justificar o fato de ser uma pastora e bispa, já que minha esposa tinha estranhado isto na conversa que vocês tiveram. Ela me pediu para ler e comentar seus argumentos e contra-argumentos. Não pretendo ofendê-la de maneira nenhuma – nem mesmo conheço você pessoalmente. Mas faço estes comentários para ver se de alguma forma posso ser útil na sua reflexão sobre o ter aceitado o cargo de pastora e de bispa.Acho, para começar, que você ser bispa vem de uma atitude de sua comunidade para com as Escrituras, que equivale a considerá-la condicionada à visão patriarcal e machista da época. Ou seja, ela é nossa regra, mas não para todas as coisas. Ao rejeitar o ensinamento da Bíblia sobre liderança, adota-se outro parâmetro, que geralmente é o pensamento e o espírito da época.E é claro, Evônia, que na nossa cultura a mulher – especialmente as inteligentes e dedicadas como você – ocupa todas as posições de liderança disponíveis, desde CEO de empresas a presidência da República – se a Dilma ganhar. Portanto, sem o ensinamento bíblico como âncora, nada mais natural que as igrejas também coloquem em sua liderança presbíteras, pastoras, bispas e apóstolas.Mas, a pergunta que você tem que fazer, Evônia, é o que a Bíblia ensina sobre mulheres assumirem a liderança da igreja e se este ensino se aplica aos nossos dias. Não escondo a minha opinião. Para mim, a liderança da igreja foi entregue pelo Senhor Jesus e por seus apóstolos a homens cristãos qualificados. E este padrão, claramente encontrado na Bíblia, vale como norma para nossos dias, pois se baseia em princípios teológicos e não culturais. Reflita no seguinte.

1. Embora mulheres tenham sido juízas e profetisas (Jz 4.4; 2Re 22.14) em Israel nunca foram ungidas, consagradas e ordenadas como sacerdotisas, para cuidar do serviço sagrado, das coisas de Deus, conduzir o culto no templo e ensinar o povo de Deus, que eram as funções do sacerdote (Ml 2.7). Encontramos profetisas no Novo Testamento, como as filhas de Felipe (At 21.9; 1Co 11.5), mas não encontramos sacerdotisas, isto é, presbíteras, pastoras, bispas, apóstolas. Apelar à Débora e Hulda, como você fez em seu e-mail, prova somente que Deus pode usar mulheres para falar ao seu povo. Não prova que elas tenham que ser ordenadas.

2. Você disse à minha esposa que Jesus não escolheu mulheres para apóstolas porque ele não queria escandalizar a sociedade machista de sua época. Será, Evônia? O Senhor Jesus rompeu com vários paradigmas culturais de sua época. Ele falou com mulheres (Jo 8.10-11), inclusive com samaritanas (Jo 4.7), quebrou o sábado (Jo 5.18), as leis da dieta religiosa dos judeus (Mt 7.2), relacionou-se com gentios (Mt 4.15). Se ele achasse que era a coisa certa a fazer, certamente teria escolhido mulheres para constar entre os doze apóstolos que nomeou. Mas, não o fez, apesar de ter em sua companhia mulheres que o seguiam e serviam, como Maria Madalena, Marta e Maria sua irmã (Lc 8.1-2).

3. Por falar nisto, lembre também que os apóstolos, por sua vez, quando tiveram a chance de incluir uma mulher no círculo apostólico em lugar de Judas, escolheram um homem, Matias (At 1.26), mesmo que houvesse mulheres proeminentes na assembléia, como a própria Maria, mãe de Jesus (At 1.14-15) – que escolha mais lógica do que ela? E mais tarde, quando resolveram criar um grupo que cuidasse das viúvas da igreja, determinaram que fossem escolhidos sete homens, quando o natural e cultural seria supor que as viúvas seriam mais bem atendidas por outras mulheres (Atos 6.1-7).

4. Tem mais. Nas instruções que deram às igrejas sobre presbíteros e diáconos, os apóstolos determinaram que eles deveriam ser marido de uma só mulher e deveriam governar bem a casa deles – obviamente eles tinham em mente homens cristãos (1Tm 3.2,12; Tt 1.6) e não mulheres, ainda que capazes, piedosas e dedicadas, como você. E mesmo que reconhecessem o importante e crucial papel da mulher cristã no bom andamento das igrejas, não as colocaram na liderança das comunidades, proibindo que elas ensinassem com a autoridade que era própria do homem (1Tm 2.12), que participassem na inquirição dos profetas, o que poderia levar à aparência de que estavam exercendo autoridade sobre o homem (1Co 14.29-35). Eles também estabeleceram que o homem é o cabeça da mulher (1Co 11.3; Ef 5.23), uma analogia que claramente atribui ao homem o papel de liderança.

5. Você retrucou à minha esposa na troca de e-mails que nenhuma destas passagens se aplica hoje, pois são culturais. Mas, será, Evônia, que estas orientações foram resultado da influência da cultura patriarcalista e machista daquela época nos autores bíblicos? Tomemos Paulo, por exemplo. Será que ele era mesmo um machista, que tinha problemas com as mulheres e suspeitava que elas viviam constantemente tramando para assumir a liderança das igrejas que ele fundou, como você argumentou? Será que um machista deste tipo diria que as mulheres têm direito ao seu próprio marido, que elas têm direitos sexuais iguais ao homem, bem como o direito de separar-se quando o marido resolve abandoná-la? (1Co 7.2-4,15) Um machista determinaria que os homens deveriam amar a própria esposa como amavam a si mesmos? (Ef 5.28,33). Um machista se referiria a uma mulher admitindo que ela tinha sido sua protetora, como Paulo o faz com Febe (Rm 16.1-2)?

6. Agora, se Paulo foi realmente influenciado pela cultura de sua época ao proibir as mulheres de assumir a liderança das igrejas, o que me impede de pensar que a mesma coisa aconteceu quando ele ensinou, por exemplo, que o homossexualismo é uma distorção da natureza acarretada pelo abandono de Deus (Rm 1.24-28) e que os sodomitas e efeminados não herdarão o Reino de Deus (1Co 6.9-11)? Você defende também, Evônia, que estas passagens são culturais e que se Paulo vivesse hoje teria outra opinião sobre a homossexualidade? Pergunto isto pois em outras igrejas este argumento está sendo usado.

7. Tem mais, se você ainda tiver um tempinho para me ouvir. As alegações apostólicas não me soam culturais. Paulo argumenta que o homem é o cabeça da mulher a partir de um encadeamento hierárquico que tem início em Deus Pai, descendo pelo Filho, pelo homem e chegando até a mulher (1Co 11.3).[1] Este argumento me parece bem teológico, como aquele que faz uma analogia entre marido e mulher e Cristo e a igreja, “o marido é o cabeça da mulher como Cristo é o cabeça da igreja” (Ef 5.23). Não consigo imaginar uma analogia mais teológica do que esta para estabelecer a liderança masculina. E quando Paulo restringe a participação da mulher no ensino autoritativo –que é próprio do homem – argumenta a partir do relato da criação e da queda (1Tm 2.12-14).[2]

8. Você já deve ter percebido que para legitimar sua posição como bispa você teve que dar um jeito neste padrão de liderança exclusiva masculina que é claramente ensinado na Bíblia e na ausência de evidências de que mulheres assumiram esta liderança. Não tem como aceitar ser bispa e ao mesmo tempo manter que a Bíblia toda é a Palavra de Deus para nossos dias. E foi assim que você adotou esta postura de dizer que a liderança exclusiva masculina é resultado da cosmovisão patriarcal e machista dos autores do Antigo e Novo Testamentos, e que portanto não pode ser mais usada em nossos dias, quando os tempos mudaram, e as mulheres se emanciparam e passaram a assumir a liderança em todas as áreas da vida. Em outras palavras, como você mesmo confirmou em seu e-mail, a Bíblia é para você um livro culturalmente condicionado e só devemos aplicar dele aquelas partes que estão em harmonia e consenso com nossa própria cultura. Eu sei que você não disse isto com estas exatas palavras, mas a impressão que fica é que você considera a Bíblia como retrógrada e ultrapassada e que o modelo de liderança que ela ensina não serve de paradigma para a liderança moderna da Igreja de Cristo.Quando se chega a este nível, então, para mim, a porta está aberta para a entrada de qualquer coisa que seja aceitável em nossa cultura, mesmo que seja condenada nas Escrituras. Como você poderá, como bispa, responder biblicamente aos jovens de sua igreja que disserem que o casamento está ultrapassado e que sexo antes do casamento é normal e mesmo o relacionamento homossexual? Como você vai orientar biblicamente aquele casal que acha normal terem casos fora do casamento, desde que estejam de acordo entre eles, e que acham que adultério é alguma coisa do passado?Sabe Evônia, você e a sua comunidade não estão sozinhas nessa distorção. Na realidade esse pensamento é também popularizado por seminários de denominações tradicionais e professores de Bíblia que passaram a questionar a infalibilidade das Escrituras, utilizando o método histórico crítico, ensinando em sala de aula que Paulo e os demais autores do Novo Testamento foram influenciados pela visão patriarcal e machista do mundo da época deles. Só podia dar nisso... na hora que os pastores, presbíteros e as próprias igrejas relativizam o ensino das Escrituras, considerando-o preso ao séc. I e irremediavelmente condicionado à visão de mundo antiga, a igreja perde o referencial, o parâmetro, o norte, o prumo – e como ninguém vive sem estas coisas, elege a cultura como guia.Termino reiterando meu apreço e respeito por você como mulher cristã e pedindo desculpas se não posso me dirigir a você, em nossa correspondência pessoal, como “bispa” Evônia. Espero que meus motivos tenham ficado claros.

Um abraço,Augustus

NOTAS[1] Esse encadeamento hierárquico se refere à economia da Trindade e trata das diferentes funções assumidas pelas Pessoas da Trindade na salvação do homem. Ontologicamente, Pai, Filho e Espírito Santo são iguais em honra, glória, poder, majestade, como afirmam nossas confissões reformadas.[2] Veja minha interpretação desta passagem e de outras no artigo da Fides Reformata “Ordenação Feminina”.


A FESTA DAS CABANAS

Como nos ensina Paulo em Colossenses, no capítulo 2, nos versos 16 e 17, as festas de Israel são sombras, são figuras de Cristo. No 15º dia do sétimo mês, que para nós corresponde ao mês de outubro, porque no calendário judaico o primeiro mês é à partir de abril, da festa da páscoa, é comemorada a festa das cabanas, ou dos tabernáculos (Lev. 23.34). Esta é a última das festas anuais, das festas solenes para o povo de Israel mencionadas em Levítico 23, mas a primeira a ser referida por Deus depois da saída do Egito.

Isto porque a primeira jornada do povo de Israel, depois que saíram do Egito foi de Ramessés até Sucote (Num. 33.5). Sucote quer dizer 'cabanas', que tem o mesmo nome da festa das cabanas que em hebraico se chama 'sucot'. Isto nos traz algo revelador, porque depois da páscoa, que representa a obra sacrificial de Cristo na cruz, eles partiram no dia seguinte, isto é, dia 15 do primeiro mês, porque a páscoa foi no dia 14, de Ramessés e caminharam até Sucote. Isto nos ensina que à partir da regeneração, do nosso novo nascimento em Cristo que vem pela fé na obra sacrificial de Cristo na cruz, Deus quer que vivamos como Igreja, porque a festa das cabanas representa a comunhão de todos os santos, assim também como a comunhão final e eterna de Cristo e a Igreja.

Na festa das cabanas todos cortavam folhas de palmeiras e faziam cabanas no terraço, no pátio e no átrio do templo (Nee. 8.16). Nesta festa não se distinguia um pobre de um rico, um escravo de um livre, um jovem de um velho, um homem de uma mulher, casados, viúvas ou órfãos, mas todos eram um, um sem distinção. Assim é o coração do Senhor em sua festa após tomar um pecador como filho. A festa que começa no céu (Luc. 15.7), continua na comunhão dos santos, porque este é o sentido real da comunhão: uma festa solene.

Após a regeneração, a primeira jornada de um cristão é até Sucote, isto é, até a Casa de Deus, para estar em comunhão com os santos, na unidade do Corpo de Cristo, sem distinção alguma. Onde não há grego, nem judeu, escravo ou livre, bárbaro ou cita, mas todos são um em Cristo (Col. 3.11). Tudo aquilo que para o Senhor se tornou uma batalha, e depois em vitória, para nós terminou em festa. Sim, porque toda batalha para o Senhor resulta em festa para o seu povo.

Mas esta festa também nos traz mais coisas reveladoras. Como nos ensina João, no capítulo 1, no verso 14, quando diz que Jesus, que é o verbo que se fez carne, e habitou entre nós, no original grego significa que Jesus 'tabernaculou', ou habitou num tabernáculo entre os homens. Paulo também usa esta expressão para o nosso corpo quando diz: "Porque sabemos que, se a nossa casa terrestre deste tabernáculo se desfizer, temos de Deus um edifício, uma casa não feita por mãos, eterna, nos céus" II Coríntios 5.1.

Mas esta festa também traz ainda algo revelador, porque ela é comemorada pelos judeus (seguindo o calendário lunar) agora em outubro, e pela data, seria à partir do dia 15. Isto revela a época do nascimento de Jesus, do tempo que ele tomou um tabernáculo, que é o primeiro dia desta festa e que ao oitavo dia foi circuncidado, que representa a festa do primeiro ao oitavo dia (Lev. 23.39).

Mas como a saída do Egito, ela representa a primeira para o Senhor e para nós na realidade, e a última festa também, porque ela trata da volta de Cristo. Esta festa é a última do ano onde havia muita alegria e regozijo. Por isso é comparada a uma festa de casamento, e em Apocalipse no capítulo 21, nos versos 2 e 3, nos diz que a Igreja virá adereçada como uma noiva para o seu noivo, e o tabernáculo de Deus estará com os homens. Aleluia! Este tabernáculo de Deus é Cristo, e esta será a última e permanente festa: A comunhão do Senhor com a Sua Igreja gloriosa, sem mácula nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível. Diáfana como o cristal, como o cristal resplandecente (Apoc. 21.11).

Como podemos ver, a festa das cabanas é a última das festas, mas em nossa jornada ou carreira cristã ela é a primeira que o Senhor quer que nós gozemos. Porque aquilo que está prometido para um tempo ainda distante, para nós pode já ser uma realidade presente. A comunhão com o Senhor e a comunhão de uns com os outros, na unidade do Espírito é uma realidade que o Senhor deseja para nós. O nosso primeiro acampamento depois da regeneração é Sucote, é a Casa de Deus, a Igreja do Deus vivo, e será a última pela eternidade, de muita alegria e regozijo.